sexta-feira, 12 de março de 2010

Desafio Literário 2010 (Março) - Livro Reserva

Tema: Literatura Clássica
Mês: Março

Livro: O Apanhador no Campo de Centeio
Autor: J.D. Salinger
Título Original: The Catcher in the Rye
Editora: Editora do Autor
Páginas: 207


Sinopse: O jovem Holden Caulfield, de 16 anos, relata seus pensamentos e ações após saber que estava sendo expulso de seu colégio interno, e como passou os dias antecedentes ao Natal refletindo sobre sua vida, sua condição, sua família e amigos.

Observações: Este livro é considerado um clássico que deve ser lido por todos os adolescentes nos EUA. O livro também ganhou fama ao ser descrito como o livro favorito de alguns assassinos, apesar da coisa toda ser um pouco teoria da conspiração (na verdade, o assassino de John Lennon estava com uma cópia do livro no dia do crime).

O tema do livro é a rebeldia adolescente, os conflitos que todo jovem tem naquela fase em que nos sentimos não mais crianças, mas não somos considerados adultos e nos sentimos meio no limbo, desrespeitados, ignorados, etc. Como a narração é do ponto de vista de Holden, o livro parece simplesmente os devaneios de um adolescente escritos exatamente na forma que ele fala, linguagem coloquial, não há nenhum recurso linguístico usado pelo autor, parece realmente que foi Holden, e não Salinger, quem escreveu o livro.

Sinceramente, não vi motivo para tanta comoção ao redor deste livro, mesmo que tente analisar nas entrelinhas, a profundidade da alma de alguém explícita no papel. Não é uma obra literária no sentido de expor as qualidades de um autor (como faz Zafón em A Sombra do Vento) e o enredo não é extremamente original ou inovativo. Acho que grande parte da fama deste livro seria que na época em que saiu não se escrevia sobre a mente adolescente, e muito menos em linguagem coloquial, xula até.

É interessante, no entanto, ver em Holden um pouco do que senti nessa idade, essa confusão mental, idéias malucas sobre coisas que queríamos ter coragem de fazer e sabemos que nunca faremos, etc, e também achei interessante mostrar que depressão e sentimentos sobre mortalidade não tem idade. É claro que Holden tem todos os sintomas de ADD, pelo menos foi o que achei.

Enfim, achei interessante ter finalmente lido este clássico de que tanto falam, mas com certeza já li livros muito melhores, tanto em qualidade de escrita, quanto em conteúdo.
Nota: 3/5

19 comentários:

Diana Bitten disse...

Como eu o lerei, não comentarei ainda... aliás, nem vou ler seu post.

Laura disse...

Depois trocamos figurinhas. ;)

Kézia Lôbo disse...

Bah eu nem comcei ainda os meus!!! Ta brabo e o pior que o primeiro livro ta em ebook... Vou ter que começar pelo livro reserva XD
Esse vai pra lista!!

Laura disse...

Esse eu li em e-book também. >.<

EFS*** disse...

Concordo com você Laura, o vídeo da Lady Gaga ficou muito cortado, por isso comentei que está mais para um curtametragem que para um videoclipe!

Abração, obrigado pela visita!

Larissa, Lara, Lalá, .... disse...

Eu ja' li outras resenhas sobre este livro e todas seguem na sua linha. Parece que o livro e' morno e nao faz jus ao sucesso dele. Eu ainda nao o coloquei na minha lista e nem sei ... Beijos

Laura disse...

Olha, eu ainda acho que é um livro interessante, e algumas pessoas vão fazer uma leitura bem profunda dele, mas acho que dentre os clássicos não deve ser o melhor, definitavemente.

Caline disse...

Esse livro nunca teve aquele algo mais que me faz ficar interessada e parar no tempo para ler.
Quem sabe um dia...

Tem selinho pra vc meu blog.

DaniS2 Aranda disse...

Interessante seu livro deste mês.... QUero me desculpar pela meinha falha na falta do nome do autor do meu livro deste mês.... "O feiticeiro e a sombra, de Ursula Le Guin"...
Até o próximo mês bjs Dani Aranda

DaniNeves disse...

Oi lindona!
Quando eu li esse livro eu era adolescente, e como todos, rebelde. Eu sentí em mim a agonia que o autor queria passar.
Numa recente releitura já não me encantou tanto assim... mas ainda assim listo esse livro como um dos essenciais na minha formação.
Beijocas!

Lia disse...

Eu gosto desse livro, acho que o autor conseguiu demonstrar bem um adolescente em crise...

nefasta disse...

Olha, eu li esse livro faz dois anos (tinha dezesseis anos) e gostei muito da leitura! Acho que foi porque o li depois de uma fase conturbada a qual passei. Mas concordo com você: o livro não é taaanto quanto falam. O que gosto nesse livro é quando você tenta seguir a linha de raciocínio do Holden! Você ás vezes se vê perdida no turbilhão de coisas que ele descreve!

Em tempo: Gostei do seu blog e vou te seguir também. :)

Abraços!

REGINA disse...

Olá, Laura...
Esse tbm foi o meu livro lido para o desafio. Gsotei mt da sua resenha e compartilho contigo da mesma opinião a respeito desse clássico!

É bom compartilhar nossas opiniões e ver o que outros leitores acham a respeito de uma mesma obra!

Bjs e bom desafio. Até abril...

luciana disse...

algumas coisas nao concordo com vc, mas vejo que muitos desse ponto tem a ver com a sua idade.

Mas vc pegou os pontos importantes que fizeram do livro um classico: foi escrito apos a guerra, na decada de 50, naquela epoca nao se falava de jovens, nao se usava esse palavriado e muito menos a exposição dos reais sentimentos de um jovem.


Esse foi um dos primeiros livros que li que me fez ver que nao era só eu que sofria e sentia coisas que nao entendia nessa idade. Nos faz compreender que não somos anormais.

A leitura é simples, aprendi que nos classicos devemos buscar essa questão simplista, pq é ai que está a beleza.

mas o texto é bom, vc percebeu os pontos principais, apesar de não concordar, mas ai é um questão de opinião, que não posso me opor pq vc entendeu o livro.

Laura Schwartz disse...

Olha, com certeza, esse livro teria sido muito mais aproveitado por mim se o tivesse lido quando eu tinha meus 17 anos. Eu saquei na hora que a história toca diretamente na mente jovem, e até prezei isso no meu post. Você está certíssima em dizer que faz a gente se sentir normal (pois também pensava que minhas pirações eram só minhas quando tinha essa idade).

Acho que o principal defeito pra mim é a tradução, porque a linguagem perde muito da gíria original para o português, fica um pouco cansativo o número de vezes que eles usam a mesma palavra como gíria, fica pobre, acho que no original isso é mais suave.

Minha crítica em relação a decepção é o fato de sempre esperar grandes obras literárias entre os clássicos, apesar de eu ler muita coisa "pobre" literariamente que eu amo. Mas como disse, Sallinger o fez propositadamente e acertou na escolha da linguagem coloquial em seu objetivo de fazer o leitor se sentir na pele de Holden, e nisso o livro acerta em cheio.

Vivi disse...

Oi, Laura
Instigante sua resenha. Eu também já passei pela experiência de ler livros badalados e tidos como clássicos que não atenderam as minhas expectativas. Acontece...
No mais, parabéns por ter cumprido mais essa etapa.

Beijocas

Sonia H disse...

Olá, Laura,
Ainda não li este livro, mas talvez você tenha razão quando diz que se tivesse feito a leitura na adolescência, tivesse outra visão. Já não é a primeira vez que ouço um comentário semelhante a respeito deste livro.
Mas no meu caso, só mesmo lendo-o para dizer o que achei dele.
Gostei da tua resenha. Com certeza, nem sempre gostamos 100% dos livros tidos como clássicos. Eu quero lê-lo.
Obrigada pela visita ao meu blog!

Marília Barros disse...

Ótima resenha a sua.
Eu li O Apanhador no Campo de Centeio ano passado e também me surpreendi um pouco. Não esperava um livro tão coloquial (mas, ao mesmo tempo, não achei a leitura muito fluida, porque as gírias soam bem estranhas e mal utilizadas).
De qualquer jeito, gostei muito do livro. Não achei que o livro vai mudar minha vida, mesmo tendo lido durante a adolescência.
Beijos

Elisandra disse...

Pelo jeito não lerei esse livro mesmo...rsrsr....gosto de saber quando um livro é cansativo....sua sinceridade foi ótima...bela resenha...beijokas elis!!!!