quinta-feira, 18 de março de 2010

Plim Plim Americano

Como havia dito em outro post (em que citei o comercial do Manwich), a hora do plim plim aqui nos EUA tem me incomodado. Meu marido acha que tenho implicância com os americanos, mas acho que é só porque eu por um acaso comecei a reparar muito nisso (pessoas gordinhas que vivem em dieta prestam atenção em comida, sempre! rsrsrsr) e cada dia mais vejo uns comerciais que me dão comichão.

Que a obesidade nos EUA é um problema notório e crônico todo mundo sabe e os culpados são sempre listados também: o uso excessivo de refrigerantes e bebidas cheias de açúcar; a falta de boas opções nas escolas; o tamanho das porções; etc. Mas após ficar pensando nos comerciais que vejo, nos produtos que estão no mercado e no número de lojas de fast food por todo lado fui pesquisar e vi vários artigos falando do novo vilão para obesidade (especialmente a infantil). Os comerciais.

Os dados indicam que mais de um quarto de todos os comerciais são de comidas e bebidas, e dentre estes 70% são de fast foods, bebidas cheias de açúcar, doces e salgadinhos industrializados. Os canais infantis têm a maior incidência destes comerciais. Isso tudo como marketing é esperado, e cada vez mais se preza os comerciais que mostram as comidas rápidas, da bolsa para o microondas para a mesa em 5 minutos, os fast food que fazem entrega rápida, etc. Tudo para que a pessoa nunca precise cozinhar nada a partir do produto in natura.

Antes de citar os mais pecaminosos na minha opinião, deixo claro aqui que não sou uma pró-natureba nem nada, estou bem acima do peso, adoro comer porcaria, luto todo dia pra manter na dieta e sou uma fresca pra comer legumes. Mas sou brasileira, e cresci vendo tudo fresquinho no mercado, cresci com almoço sendo preparado em casa, sem ser nada pré-cozido, ou direto da embalagem, etc. Apesar de Porto Rico ainda não ser exatamente igual aos EUA, aqui também vejo muitos produtos para "facilitar" na cozinha que acabam saindo mais baratos que a matéria prima, por assim dizer, e sou culpada de acabar aderindo a alguns deles (basicamente eu uso muito vagem já cozida em água e sal em lata, porque vem na porção ideal para meu marido e eu sem estragar nada e mais barato que a vagem fresca, e claro, ervilha e milho verde, mas que usamos aí também; e o feijão do Luis, que é diferente de como fazemos no Brasil e eu ainda não aprendi e não curto muito, compro ele pronto em lata e aí nunca estraga e ele come o feijãozinho do jeito que ele gosta, mas vou falar do feijão portoriquenho em outro post).

Mas vamos ao exemplos:

1) Manwich - eu citei ele no outro post mas aqui vocês podem ver o comercial em toda sua "glória". Ah, e saquem o slogan "Meat your vegetables" (trocadilho com eat = comer usando meat = carne, seria algo como "carnem seus legumes" ao invés de "comam seus legumes").



2) Tyson Chicken Nuggets - esse é bem mais suave que o anterior mas ainda assim pra mim ele basicamente ensina para as crianças esconderem toda aquela comida feita em casa (presta atenção nos pratos e no que as crianças estão evitando, salada, bife, peixe, massas, resumindo, comidas normais) que elas vão ganhar os nuggets de frango da Tyson (uma vez fui procurar saber o que tem num nugget, é carne moída de frango com vários temperos, maisena para ajudar a dar liga, e claro, preservantes), industrializado, empanado e frito!



3) Subway - A rede subway é meu fast food favorito. Apesar de nem tudo ser hiper saudável, o lance desta rede é vender sanduíches frescos no estilo submarino, e tem opções muito bacanas como pão integral com peito de peru, muito alface, tomate, cebola, azeitonas e você escolhe se vai usar vinagre ou encher de maionese, etc. Aliás, você escolhe o pão, a carne, os ingredientes da salada, os temperos, etc. Além disso não se vende batata frita (tem lay's no saquinho pequeno) e um dos acompanhamentos mais clássicos é sopa, e sempre tem 3 tipos de sopa pra escolher. Claro, há sandubas nada light, mas é onde eu vou quando estou na rua, porque dá pra comer saudável sim.

De qualquer forma, apesar de apreciar a rede, este comercial do café da manhã no Subway eu não perdôo. O comercial mostra uma mãe servindo o café da manhã pra sua filha, e a menina reclama: "Só torrada? Meu pai me dá ovo mexido". A mãe faz o ovo mexido e menina reclama: "Que ovo mixuruca! E meu pai me dá opção de suco ou café com leite". A mãe traz suco de laranja pra filha e a menina reclama de novo: "Cadê o mingau de aveia?!??!". Aí corta pro pai levando a filha para tomar café da manhã no Subway, porque tem variedade e é tudo "fresco". Moral da história: é mais saudável tomar café da manhã numa rede de fast food que em um café fresco preparado em casa. Absurdo!! Esse eu expliquei porque o espanhol daqui de Porto Rico é mesmo de matar!



Exemplos como esses são muitos, e claro, sem citar os óbvios comerciais do McDonalds, da Pizza Hut, Taco Bell, etc. que nem fingem ser saudáveis, atingindo direto as papilas gustativas do cidadão.

Para terminar tenho ainda que apontar para a programação que vejo no Travel Channel (que adoro) ultimamente, com programas que mostram os restaurantes que têm as maiores porções, programas que visitam os restaurantes que fazem desafios de quem consegue devorar pratos enormes de comida, etc (ontem vi um hamburguer de carne da caribu que era feito da seguinte forma: pão, molho de maionese e bacon picado, hamburguer de meio kilo, 6 fatias de queijo cheddar, 6 fatias de bacon, 250 g de presunto, alface, tomate, pão, molho de maionese e bacon picado, hamburguer de meio kilo, 6 fatias de queijo suiço, 6 fatias de bacon, 250g de presunto, alface, tomate e o tampo de pão, formando um hamburguer duplo de 1 kilo de carne, meio de presunto, 12 fatias de bacon e de queijo). Eu até assisto uns e acho divertido, mas eu e meu marido assistimos comentando os absurdos de porções, e como muito parece mais grotesco que apetitoso, como os exemplos abaixo.

Um burrito de 3 Kg.


Essa não precisa apresentação.


E aí? O que vocês acham? Isso é normal?

7 comentários:

Diana Bitten disse...

Bizarro, podre... e eu, que ao contrário de vc sou quase natureba, fico, no mínimo, revoltada!

Esse povo tem mais é que deixar de ser saudável comendo isso mesmo... troço ridículo! Doente!

Putz...

cristina disse...

ola laura obrigada pela visita e sim tenho o grafico queres ? eu mando_te mas manda_me o teu mail beijinho

DaniS2 Aranda disse...

Oiê, tem um selinho pra vc no meu blog... bjinhs

nefasta disse...

Caraca... Se eu comesse um hamburguer como aquele (estou me referindo ao da última imagem do post), ficaria, no mínimo, com uma baita dor de barriga.
Olha, eu não sou muito natureba, não. Mas não consigo dispensar meu feijãozinho, arroz, frango/carne/peixe e salada por um lanche... Não consigo mesmo! Já fiz isso e fiquei com uma sensação de ''vazio''. Tenho pena deste hábito alimentar nocivo dos americanos...

Laura Schwartz disse...

Com certeza! Também me faz falta se não comer comida mesmo, apesar de eu AMAR lanchinhos (especialmente os daí, tipo sucos espremidos na hora, pão de queijo, etc).

Cristine Martin disse...

Minha nossa! Quem come um burrito de 3 kg?

Muito bom seu post, Laura, já deu para entender porque a obesidade é um problema tão grande nos EUA.

Realmente os comerciais que você mostrou são de lascar; cada vez mais se desvaloriza a comida feita em casa, e tentam convencer que bom é o que é gostoso, o saudável que se lasque.

Já viu o documentário Super Size Me? É muito interessante, e cai em cima do MacDonalds e da fast food em geral. Escrevi um artigo no Rato sobre ele há algum tempo, se quiser ler o link é http://www.terracotabolsas.com/rato/?p=25

Felizmente aqui em casa criamos desde cedo o hábito de almoçar/jantar juntos, e quase sempre comida feita em casa. De vez em quando pedimos uma pizza, ou comida chinesa. Mas comer fora todo dia acaba enjoando (e engordando)...

Grande abraço!

Laura Schwartz disse...

Pois é, comer besteira todo mundo come, mas não como meio de alimentação principal!

E Supersize Me é ótimo!

Beijo!