domingo, 6 de junho de 2010

Alô Alô 3

Luis tem me ligado praticamente todos os Sábados, mas como viajei por dois Sábados e um Sábado ele não contou nada de muito excitante (ligação só pra sabermos que ele está bem, pra saber se estou bem, etc) resolvi nem blogar nada.

Ontem aguardei sua ligação e nada, e hoje ele me ligou de manhã, me dizendo que é um fim de semana bem ocupado, já em preparação a semana final de provas (sai no blog amanhã o resumo da semana 7).

A ligação vem logo após a temida semana BEAST, da qual já falei aqui. Ele estava ainda de super bom humor (na última ligação uma semi gripe e o cansaço deixaram ele bem abatido no telefone) mas me disse que o BEAST foi de matar! De cara ele disse que tem mil histórias para contar, e a ligação é curta mas me disse que no geral foi divertido, mas que os dois primeiros dias da semana ele acha que foram dos piores até agora no treinamento. O motivo? Como disse no post a respeito do BEAST, eles estavam em exercícios de guerra, ou seja, devem portar-se como em zona de combate, e isso inclui ter que levar consigo todo equipamento que estariam com eles em situação real.

Isso quer dizer que 24 por dia, durante os 5 dias de duração do BEAST, eles tinham que usar o colete a prova de balas (que diz ele pesar uns 10 kg), o uniforme de combate completinho, o capacete, a M-16 no ombro, e a mochila com o uniforme contra gás, com a máscara de gás, luvas, botas, rações, dois cantis de água. O tempo todo!

Ele disse que isso e o fato de estarem sempre sujos incomodou um bocado. Fora isso ele conta que tinham vários objetivos, e é como se estivessem em guerra mesmo. E disse que a galera achava ruim a presença constante de escorpiões (região meio de deserto no Texas = insetos), a poeira, o calor, e estar sempre atento a possíveis "ataques".

Ele terminou dizendo que emagreceu pacas nesta semana, pois realmente não ficavam muito parados (na base eles têm muitas aulas) além do peso adicional, e que está se sentindo mais forte e pode fazer coisas que achava que nunca poderia.

Ah! Ele mandou uma carta essa semana também, em que ele fez o treino com os bastões acolchoados, os chamados pugil sticks e é um treino que todo recruta aguarda ansioso porque dá pra colocar pra fora o estresse, e Luis disse que meteu o cacete, estava todo animado com isso!


2 comentários:

luciana disse...

nossa, ser militar é dureza. vejo minha mae contando as peripercias que teve de tanto se muda por causa do meu avô (que era sargento).

mas apesar de tudo, vale a pena todo treinamento.

Laura Schwartz disse...

Pois é, eu fico me perguntando como eu irei me adaptar a vida militar, tenho nervoso de morar na base com trocentas mil regras, mas se outros conseguem, eu também, e a gente é meio camaleão, né? Acaba se adaptando as circunstâncias que aparecem na vida.